Exposições

Foi há 30 anos

A questão de uma representação mais expressiva da Alemanha no Parlamento Europeu

Em menos de um ano, a Alemanha recupera a sua unidade e soberania. O Parlamento Europeu demonstra a sua grande satisfação, bem como a convicção de ter estado à altura destes acontecimentos históricos. Surge, no entanto, uma questão urgente. Com efeito, a reunificação alemã levanta a questão da representação democrática dos 16 milhões de novos cidadãos da Comunidade Europeia, pelo que o Parlamento Europeu decide atribuir lugares a 18 observadores originários dos cinco Länder da antiga RDA.

Eleitos democraticamente, em março de 1990, para a Volkskammer (Câmara do Povo) da Alemanha de Leste e, entretanto, com competências atribuídas pelo Bundestag alemão, estes observadores participam a partir de 1991 nos trabalhos do Parlamento Europeu, das suas comissões parlamentares e dos seus grupos políticos. Após algumas adaptações logísticas, os observadores juntam-se - sem direito de voto - à delegação alemã, cuja representação passa de 81 para 99 deputados, enquanto aguardam uma resolução definitiva no que se refere à representação de todos os Estados-Membros e a organização das eleições europeias, em junho de 1994.